Na continuação da minha pausa de trabalho em viagens pela costa Africana, não poderia faltar o arquipélago de Seychelles, Um dos destinos imperdiveis da costa Africana e minha parada preferida desta viagem (Dubai – Mauricius – Madagascar e Seychelles).
A ilha merece a fama que tem – praias lindas, serviços de primeira, pessoas hospitaleiras e vida… Seychelles não é como Mauricius que pra mim era muito tranquila… Seychelles você relaxa também, mas se quiser encontrar bares e vida noturna, você encontra muito fácil. então vamos conhecer mais a ilha.

Seychelles

Walber Piva em Seychelles

Não se assustem com a montagem, são todos eu, fiz numa brincadeira que já faço ha anos, é uma sobreposição de camadas feita no photoshop, da trabalho mas fica muito legal.
Mas vamos a ilha que é o que interessa.

O arquipélago de Seychelles (em inglês e francês, Seychelles ; em seichelense, Sesel)  são um país insular localizado no Oceano Índico ocidental, constituído por 115 ilhas, de coral e granito, e está localizado no Oceano Índico ocidental, ao nordeste de Madagascar. O país se estende entre 480km a 1600km da costa leste da África e ocupa uma área terrestre de 455 km². O resultado da localização é um destino repleto de belezas naturais, tranquilidade, famoso por suas encantadoras praias, florestas verdejantes e muitos tons de azul em suas águas

A principal ilha do arquipelago de Seychelles

As ilhas são divididas em duas categorias: graníticas e coralinas. O grupo das graníticas é formado por 41 ilhas internas e é reconhecido como o conjunto de ilhas graníticas mais antigo do mundo; já as coralinas são formad

Walber Piva no mirante de Victoria – Seychelles

as por cinco grupos de atóis de coral, sendo 72 delas externas e 2 internas, totalizando 74 ilhas neste grupo.

Passeios de carro pelas 65 praias da ilha principal, em veleiros pelo mar cor turquesa, mergulho, pesca e relaxamento são as principais atividades para os visitantes das 155 ilhas deste arquipélago do Oceano Índico. Mahé, Praslin e La Digue são as ilhas mais populares. Mahé ostenta  diversos restaurantes, cafés, bares e cassinos na pequena capital, Victoria. As Seychelles são o lar de locais designados pela UNESCO, do atol de corais Aldabra (um dos maiores do mundo) e Vallée de Mai (onde cresce o raro Coco-de- Mer), chamado de Jardim do Éden.
O paraíso não é “uma ilha”, é um arquipélago de “115 ilhas”, o menor país da África foi descoberta por Vasco da Gama em 1502, mas só foi colonizado pelos franceses em 1770, que com a derrota de Napoleão em Waterloo, cederam-na para a Grã Bretanha, da qual tornou-se independente em 1976.
Sua extensão territorial pode ser pequena, apenas 455 km², mas a beleza natural das suas praias, de sua fauna, flora e do seu mar de um azul cristalino é imensurável. As praias nas ilhas Seychelles são chamadas de Anse, do francês, que significa enseada.
Sua temperatura é agradável o ano todo, o que a torna um excelente destino para as férias em qualquer mês do ano.

Walber Piva em Beau Vallon – Seychelles

Existem três línguas oficiais em Seychelles: o creole (dialeto baseado na língua francesa), o inglês e o francês. Muitos “seychellois” também falam italiano ou alemão fluentemente.
Abaixo, veja algumas expressões úteis traduzidas para o creole:

Português Creole
Olá Bonzour
Tchau Orevwar
Como você está? Ki dir?
Obrigado Mersi
Onde? Kote?
Por favor Silvouple
Não Non
Sim Wi
Eu não entendi Mon pa konpran
Eu gosto disso Mon kontan
Como você está? Konman sava?
O que é isso? Kisisa?

Cheguei em Seychelles pela Air Madagascar, vindo de Antananarivo, a capital da Ilha de Madagascar
Foi um voo tranquilo, o controle de passaporte foi rápido, troquei meu dinheiro e tive um problema enorme na saída do aeroporto: perguntei quanto era o táxi ate meu hotel do outro lado da ilha e o taxista se fez de desentendido e já colocou minha mala no táxi fazendo brincadeiras e  me mantendo “ocupado”, ao entrar no táxi perguntei novamente quanto seria porque vi que não tinha taxímetro, mas ele arrancou o carro e só depois de sair do aeroporto (minusculo) que ele me disse que ficaria em torno de uns 100 euros. claro que mandei parar na hora e começou a briga, ele prendeu minha mala no táxi e chamei a policia que me fez pagar a ele em torno de uns 15 euros por ele ter saído do aeroporto. exigi comprovante de tudo e a policia ficou indignada (era uma senhora, mas não merecia ser chamada de senhora) e com desgosto pediu ao taxista pra preparar o comprovante de pagamento. então fui ate a parada de ônibus e peguei um ônibus normal ate a capital Victoria, que me custou nem 2 euros e de la peguei um taxista que passeou comigo toda minha estadia com preço muito bom (ate meu hotel paguei 15 euros).

Centro de Victoria – a capital das Seychelles

Me hospedei no Casadani Hotel, pertinho do mar, tranquilo, com um gostoso cafe da manhã, Staff maravilhosa e não era tao econômico, mas bem barato pra chegar e depois mudar pra hotel que passaria meus dias: Le Meridien. Ali foi maravilhoso. Hotel junto a praia, piscina, restaurantes internacionais buffet e la carte e … aceitavam meu amex (fico tao chateado com quem não aceita..)

O hotel Le Meridien
a noite, em Seychelles

Os passeios fiz com o taxista que conheci no primeiro dia. Ele me levou para ver o Mirante da capital Victoria, passeamos pela cidade e por diversas praias, de norte ao sul… foi ótimo.

Conheci diversas praias, que mesmo com dia nublado tinha águas de cores incríveis… realmente um cenário tropical lindo.

Já a pequena capital Vitoria (uma das menores capitais do mundo com apenas 24 mil habitantes) tem beleza, tem cara de cidade e mesmo assim consegue viver em harmonia com o resto da ilha. Vimos ela de cima do mirante, e depois descemos para beber algo antes de descer para o sul da ilha.

Victoria – A capital das Seychelles

No terceiro dia aproveitei mais ainda as praias, fiz amizade com algumas pessoas, aproveitei bastante o sol, e no quarto dia, era já hora de refazer as malas para partir.

Seychelles

No aeroporto tentava me conectar com wifi a pagamento e conheci assim três pessoas maravilhosas do lounge do aeroporto. se na chegada tive uma primeira impressão ruim, na saída foi a melhor de todas, ficarei eternamente agradecido.
Foi uma viagem maravilhosa, uma vontade imensa de ficar e de voltar, aconselho a todos que querem um lugar de paz mas com possibilidades de ter alguma vida noturna ou um pouquinho de cidade, e a todos amantes da natureza. Seycheles é um paraíso, tem ótimos hotéis, pessoas muito simpáticas, e merece a visita de todos.